PRÉVIA (n.t.) 13º

Eneida, Canto IV: Dido e Eneias | Aeneidos Liber Quartvs
Públio Virgílio Marão

O texto: O Canto IV da Eneida descreve os amores de Dido, rainha de Cartago, e do troiano fugido Eneias. O caso se passa na então nova cidade de Cartago, que Dido, fenícia também fugida de Tiro por traição do irmão Pigmalião, está em curso de fundar. A rainha, que acolhera os exilados troianos depois de naufrágio na costa líbia (Canto I) e escutara narrar a Eneias os últimos momentos de Troia (Cantos II e III), por se ele se apaixona. Os eventos dessa paixão até o fim trágico de Dido são o tema deste canto. Entreato amoroso no curso do épico, é peça fundamental da tradição literária.
Texto traduzido: Mynors, R. A. B. P. Vergili Maronis opera. Oxford: OUP, 1979 [1969].

O autor: Públio Virgílio Marão (70-19 a.C.), segundo o comentador Sérvio, era mantuano, filho de Mágia e Virgílio. Estudou em Cremona, Mediolano e Neápolis. Casto que era, chamavam-no Parthenias (virginal). Veio a Roma depois da batalha de Ácio (31 a.C), onde obteve o patrocínio de Asínio Polião e Mecenas. Para Polião, acaba as Bucólicas em três anos; para Macenas, as Geórgicas em sete anos. Em onze anos, não acaba a Eneida. No leito de morte, quis queimá-la, mas Augusto o impediu, ordenando que Tuca e Vário a emendassem e publicassem.

O tradutor: Adriano Aprigliano é professor de Língua e Literatura Latina na USP. Publicou Da palavra (2014, Unesp), tradução do Vākyapadīya de Bhartr̥hari (Índia, V d.C.). Coordena, com Safa Jubran (USP), o Tarjama, grupo dedicado à formação de tradutores de Literatura Árabe. Terminará a Eneida em 2019.



☞ VIRGÍLIO. Eneida, Canto IV: Dido e Eneias | Aeneidos Liber Quartvs.
Trad. Adriano Aprigliano. (n.t.), n. 13, v. 2, dez. 2016, pp. 108-146.


© (n.t.) Revista Literária em Tradução
ISSN 2177-5141