PRÉVIA (n.t.) 9º

Eneida Brazileira | Aeneis
Públio Virgílio Maro

O texto: Em 1854, Odorico Mendes, durante sua estada em Paris, publicou a primeira edição da Eneida Brazileira de Virgílio, pela Tipografia de Rignoux, em uma edição que se esgotaria em quinze dias. Mais de um século depois, a tradução se tornaria um dos marcos na história das traduções no país, ocupando um lugar de destaque, por sua permanência e relevância, ganhando, em 2008, uma segunda edição bilíngue, anotada e comentada pelo grupo de pesquisa “Odorico Mendes” (Unicamp), que se dedica a divulgar a obra do tradutor, sobretudo suas versões dos clássicos gregos e latinos. Celebrando o 160º aniversário da 1ª edição da tradução do clássico latino, reproduz-se, a seguir, o texto integral dos versos que compõem o Livro I (Liber primus) da Eneida, conforme o português da edição de 1854, ao lado do original em latim, estampado, por sua vez, no livro Virgilio Brazileiro, de 1858.
Edições de referência: Eneida Brazileira. Paris: Typographia de Rignoux, 1854 (fac-símile). Virgílio Brazileiro: Eneida, Bucólicas e Geórgicas. Paris: W. Renquet, 1858 (fac-símile). Eneida. São Paulo/Campinas: Ateliê/UNICAMP, 2008.

O autor: Públio Virgílio Maro (70-19 a.C.), conhecido como Virgílio, foi um poeta romano clássico, considerado um dos maiores de seu tempo, autor de grandes obras universais da literatura, entre as quais, as Bucólicas, as Geórgicas e a Eneida. Estudou filosofia e retórica em Roma, ao lado de grandes mestres, tendo frequentado os círculos eruditos da cidade. Protegido de Mecenas, tornou-se o poeta oficial do imperador Augusto. Sua obra mais conhecida, a Eneida, é considerada um épico nacional da Roma Antiga: narra a viagem do troiano Enéas, filho de Vênus, a quem os deuses encarregaram de lançar a pedra fundamental de uma cidade que, mais tarde, seria batizada de Roma. Virgílio exerceu uma notável e ampla influência na literatura ocidental, sobretudo na Divina Comédia dantesca, em que ele aparece como guia de Dante pelo Inferno e Purgatório.

O tradutor: Manuel Odorico Mendes (1799-1864), político, publicista e humanista, nascido em São Luís do Maranhão, é um dos mais antigos tradutores do Brasil, conhecido por realizar as primeiras traduções integrais para o português das obras clássicas de Virgílio e Homero. Após traduzir e publicar a Eneida, de Virgílio, em 1854, em Paris, editou a obra completa do poeta latino sob o título de Virgilio Brazileiro, cuja edição compreendia os textos da Eneida, as Bucólicas e as Geórgicas. Depois, lançou-se à tradução dos épicos de Homero, a Ilíada e a Odisseia, publicados postumamente, em 1874 e 1928, respectivamente.



☞ VIRGÍLIO, Públio. Eneida Brazileira | Aeneis.
Trad. Manuel Odorico Mendes. (n.t.), n. 9, v. 2, set. 2014, pp. 338-380.


© (n.t.) Revista Literária em Tradução
ISSN 2177-5141