PRÉVIA (n.t.) 14º

Três poemas à misteriosa | Trois poèmes à la mystérieuse
Robert Desnos

O texto: Os poemas desta seleção pertencem à coletânea “À la mystérieuse”, que integra o livro Corps et Biens, de 1930. A atmosfera onírica é recriada com a técnica da “escrita automática”, de baixa vigilância e latente aproximação à realidade psíquica – espontânea e inconsciente. Nela, Desnos idealiza o perfil de sua amada, que se mostra ao mesmo tempo presente e evanescente, íntima e frágil. A poesia exprime o único modo de unir o desejo à realidade e, com isso, conquistar a eternidade.
Texto traduzido: Desnos, R. Œuvres. Paris: Gallimard, 1999.

O autor: Robert Desnos (1900-1945), poeta francês, foi um membro ativo do grupo surrealista, considerado, devido à sua escrita automática, o melhor “médium” de experiências hipnóticas na poesia. Além de escrever para inúmeras revistas de vanguarda, exerceu também o jornalismo, engajando-se na luta contra o fascismo na Segunda Guerra Mundial, combatendo ao lado da Resistência francesa. Morreu na antiga Tchecoslováquia, em um campo de concentração.

A tradutora: Lídia Rogatto é tradutora, revisora e jornalista do Ateliê da Tradução. É mestre em Divulgação Científica e Cultural pela Unicamp, especialista em Ensino e Aprendizagem de Línguas Estrangeiras pela UFMG e especialista em Tradução (DBB/RJ). Cursou tradução francês-inglês na Université d’Ottawa, Canadá.


☞ DESNOS, Robert. Três poemas à misteriosa|Trois poèmes à la mystérieuse.
Trad. Lídia Rogatto. (n.t.), n. 14, v. 1, jun. 2017, pp. 64-72.


© (n.t.) Revista Literária em Tradução
ISSN 2177-5141