PRÉVIA (n.t.) 12º

Do Copo de dados | De le Cornet à dés
Max Jacob

O texto: Os sete poemas desta seleção foram reunidos em Le Cornet à dés/O Copo de dados (1917), de Max Jacob. Trata-se do livro que lhe valeu a notoriedade frente às vanguardas, com seus poemas em prosa fragmentários, repletos de citações bíblicas – o poeta se converteria mais tarde ao catolicismo – mesclados com o cotidiano de vendedores de castanhas ou irmãos que desmontam cartuchos. Trazem, igualmente, essa presença da Primeira Guerra e anúncio “profético” da Segunda, como assinalou o autor na advertência inicial ao livro. Apesar disso, não deixam de encenar um humor complexo: nos risos com os quais os soldados atacam o eu no primeiro poema, mas também no amor frustrado do “Valente guerreiro na terra estrangeira”.
Texto traduzido: Jacob, Max. Le Cornet à dés. Paris: Gallimard, 1945.

O autor: Escritor, poeta, dramaturgo e pintor, Max Jacob (1876-1944) foi um dos principais poetas da vanguarda parisiense, autor de livros como Le Cornet à dés (1917), bastante influente no período surrealista, e Le Cabinet noir (1922), conjunto de cartas confessionais. Sua obra apresenta diversas incursões, desde o neoimpressionismo, na pintura, e o surrealismo e dadaísmo, na literatura.

O tradutor: Pablo Simpson é poeta, tradutor e professor de literatura da Universidade Estadual Paulista (Unesp/Ibilce). Publicou O Rumor dos cortejos, poesia cristã francesa do século XX (Ed. Unifesp, 2012) e estudos sobre a poesia francesa e brasileira nos séculos XIX e XX. Para a (n.t.), traduziu o poeta camaronês Engelbert Mveng.



☞ JACOB, Max. Do Copo de dados | De le Cornet à dés.
Trad. Pablo Simpson. (n.t.), n. 12, v. 1, jun. 2016, pp. 190-204.


© (n.t.) Revista Literária em Tradução
ISSN 2177-5141