PRÉVIA (n.t.) 10º

Noites lúgubres | Noches lúgubres
José Cadalso

O texto: Noites lúgubres é um poema em prosa dramático publicado no Correo de Madrid entre dezembro de 1789 e janeiro de 1790. Compõe-se de três noites, sendo a última inconclusa. Antes de sua publicação, a obra circulou na forma de manuscritos. O mais antigo encontra-se na British Library, em Londres, sendo datado de, aproximadamente, 1775. A ação narrativa centra-se na tentativa de exumação do cadáver de uma mulher, amada do protagonista. O poema dialoga com a tradição gótico-medieval pelo tema e com o Romantismo nascente pela mescla de gêneros e estilos. Foi uma obra popular à época. No fim do século XIX, contavam-se dela 49 edições. Em 1844, Francisco Bernardino Ribeiro verteu-a ao português e publicou-a no periódico carioca Minerva Brasiliense. É possível afirmar que Álvares de Azevedo conheceu essa versão, que ressoa, em diversos momentos, em sua obra, sobretudo nos contos de Noite na taverna.
Texto traduzido: Cadalso, José. Noches lúgubres. Edición Nigel Glendinning. Madrid: Espasa-Calpe, 1993.

O autor: José Cadalso y Vásquez de Andrade (1741-1782) foi um escritor e militar espanhol. Compôs poesia, teatro e prosa de ficção. Suas obras mais conhecidas são Cartas marruecas, narrativa epistolar escrita à imitação das Cartas persas, de Montesquieu, e Noches lúgubres. O espírito crítico que preside aquela e a impulsividade sentimental que domina esta mostram um escritor entre duas mentalidades, a neoclássica e a romântica – esta em formação. Noches lúgubres baseia-se num evento biográfico: a morte prematura, em 1771, da atriz María Ignacia Ibañez, com quem Cadalso manteve um breve mas intenso romance. É possível que o tema órfico da exumação da amada tenha sido tomado, entre outras fontes, do mito de Inês de Castro, cuja tragédia teve impacto no teatro espanhol dos séculos XVII e XVIII.

O tradutor: Mario Higa é professor de português e literatura luso-brasileira no Middlebury College (Vermont, EUA). Mario cotraduziu A invenção da Argentina, de Nicolas Shumway (Edusp/UnB, 2008), e prefaciou os Poemas reunidos, de Cesário Verde (Ateliê, 2010), a Antologia de crônicas, de Lima Barreto (Lazuli, 2010), e a Antologia de contos românticos (Lazuli, 2012). Seu livro a sair pela Ateliê intitula-se Matéria lítica: Drummond, Cabral, Neruda e Paz.



☞ CADALSO, José. Noites lúgubres | Noches lúgubres.
Trad. Mario Higa. (n.t.), n. 10, v. 1, jun. 2015, pp. 150-200.


© (n.t.) Revista Literária em Tradução
ISSN 2177-5141