PRÉVIA (n.t.) 14º

Êxtase e Arte | Rausch und Kunst
Hanns Heinz Ewers

O texto: Publicado originalmente em 1906, na revista alemã Das Blaubuch, o ensaio reflete a respeito da influência de estados extasiados, induzidos por drogas como o haxixe ou a mescalina, sobre a produção artística.
Texto traduzido: Ewers, H. H. “Rausch und Kunst”. In. Das Blaubuch, Berlin, 8 nov. 1906, p. 1726-1730.

O autor: Hanns Heinz Ewers (1871-1943), escritor alemão, estudou direito, dedicando-se depois à escrita. Admirador de Wilde e Poe, escreveu desde poesia, drama, versos para cabarés, libretos, contos, romances, tratados científicos, além de relatos de experiências próprias com drogas ou impressões de diversas viagens pelo mundo, incluindo o Brasil, a Argentina e o Paraguai. Tornou-se conhecido do público por seus textos de horror e elementos fantásticos e por sua autoencenação de dandy e boêmio par excellence. Seu romance Alraune (1911) foi traduzido para 28 línguas e filmado quatro vezes. Após certo declínio profissional e pessoal nos anos 1920, aproximou-se de círculos nacional-socialistas, contudo, mais tarde, o regime proibiria a venda de quase todos os seus livros, considerados decadentes e doentis.

Os tradutores: Michael Korfmann é professor de Literatura Alemã no Instituto de Letras da UFRGS. É cotradutor, entre outros, dos romances O porco entre os peixes e A cozinha da alma, ambos de Jasmin Ramadan, e dos grafic novels, publicados pela editora 8Inverso, Castro e Elvis.
Raquel Ribas Meneguzzo é graduanda do Bacharelado em Letras – Tradutor Português e Alemão da UFRGS. Estudou na Alemanha, na Universidade de Erlangen, e atualmente é bolsista de iniciação científica.


☞ EWERS, Hanns Heinz. Êxtase e Arte|Rausch und Kunst.
Trad. Michael Korfmann e Raquel R. Meneguzzo. (n.t.), n. 14, v. 1, jun. 2017, pp. 179-191.


© (n.t.) Revista Literária em Tradução
ISSN 2177-5141