PRÉVIA (n.t.) 17º

Editorial
Bloco de Cascajal

Ao lado dos antigos povos mesopotâmicos, egípcios e chineses, os mesoamericanos também desenvolveram uma forma de escrita não relacional, sendo a mais conhecida, a maia, cujas inscrições mais remotas datam do século III a.C. E embora seja bem documentada e a única decifrada até o momento, outras escritas foram criadas na Mesoamérica.... (...)

A escrita zapoteca, cujo registro mais antigo remonta a 600 a.C. (Estela Monumento 3) e que chegou a ser considerada a primeira das Américas, e a escritura epiolmeca, cuja inscrição mais antiga é de 36 a.C. (Estela de Chiapa de Corzo) e que se originou e coexistiu com a maia, cederam lugar para as recentes descobertas em torno de outra provável escrita, a olmeca... (...)

Eis aqui a tarefa da tradução, a mesma empreendida pelos tradutores deste número da (n.t.) que, ao cumprirem esse ofício, trazem pela primeira vez textos inéditos ou retraduzidos que evocam, assim como os glifos olmecas, uma época e um lugar. A clássica seção de abertura inicia ... (...)

E para encerrar mais um editorial, vale reiterar que esses poetas e escritores, não obstante a carga lírica de suas poesias, ou imaginativa de seus contos, ou conceitual de seus ensaios... (...)



☞ Editorial: Bloco de Cascajal. (n.t.), n. 17, v. 2, dez. 2018, pp. 04-05.


© (n.t.) Revista Literária em Tradução
ISSN 2177-5141