PRÉVIA (n.t.) 7º

Histórias gatonegrescas | Histoires chatnoiresques
Alphonse Allais

O texto: As três narrativas cômicas fazem parte da coletânea Para se contorcer: histórias gatonegrescas, título judiciosamente escolhido pelo autor, já que as histórias agrupadas trazem momentos hilários e provocadores. Nelas se fundem fábulas, anedotas picantes e personagens extravagantes para compor um retrato risível das vaidades e fraquezas humanas. O tom jocoso encobre sutilmente um olhar preciso e crítico sobre a moral e os costumes de uma sociedade hipócrita, como nos contos, Um drama bem parisiense, em que um casal de conveniência lança mão de jogos de poder e artimanhas para levar adiante sua relação; Um pequeno fim de século, onde a óbvia visão de bem e mal é desconstruída sob a forma de uma “historinha de crianças”; e O cúmulo do Darwinismo, em que o autor aborda a oposição de forças entre ciência e religião, não sem ironizar a ambas.
Textos traduzidos: Allais. A. “Le comble du Darwinisme”, “Un drame bien parisien”et “Un petit fin de siècle”. In. Allais, A. À se tordre: Histoires chatnoiresques. Paris: Paul Ollendorff Éd., 1891, pp. 77-84, pp. 123-131, pp. 199-203.

O autor: O escritor e humorista Alphonse Allais (1854-1905), nasceu em Honfleur, Baixa-Normandia. Por influência paterna, dedicou-se aos estudos de Farmacologia, mas um interesse maior pela comédia e a literatura o impediu de concluir os cursos. Anos mais tarde, tornou-se presença marcante nos cafés do Quartier Latin de Paris, onde suas anedotas e histórias cômicas eram muito apreciadas. Em seus textos, explora o ridículo, a banalidade nas relações humanas, a ciência e até mesmo a morte. É considerado um “inventor” de situações bizarras, que usa trocadilhos e enredos aparentemente simples como expedientes para realizar críticas agudas à sociedade da Belle Époque francesa. Além de À se tordre (1891), destacam-se as obras Deux et deux font cinq (1895) e Amours, délices et orgues (1898).

A tradutora: Fedra Rodríguez Hinojosa é Bacharel em Letras Francês, com Mestrado (UFSC) e Doutorado em Estudos da Tradução pela UFSC/Universidad de Sevilla. Atualmente exerce as atividades de redatora, revisora, consultora editorial, tradutora e pesquisadora acadêmica. Embora seu alvo de estudos seja a cultura e a literatura árabe, dedica-se paralelamente à tradução de textos do galego, francês, inglês e espanhol. Para a (n.t.) já traduziu Laranjas e giletes em Bagdá, de Muhsin Al-Ramli, e O suicídio, de Xosé Neira Vilas.



☞ ALLAIS, Alphonse. Histórias gatonegrescas | Histoires chatnoiresques.
Trad. Fedra Rodríguez Hinojosa. (n.t.), n. 7, v. 2, set. 2013, pp. 216-242.


© (n.t.) Revista Literária em Tradução
ISSN 2177-5141